Em delação firmada com a Polícia Federal e tornada pública, em partes, pelo juiz Sérgio Moro, o ex-ministro Antônio Palocci afirmou que Lula agiu indicando Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento da Petrobras para "garantir espaço para ilicitudes".

Segundo Palocci, a Odebrecht entrou em conflito com Rogerio Manso, então Diretor de Abastecimento da estatal, por não encontrar espaço para negociar o preço da nafta – um derivado do petróleo – para a Braskem, empresa controlada pelo grupo.

Segundo ele, a Odebrecht se alinhou ao Partido Progressista (PP), porque o partido estava apoiando fortemente o governo e não encontrava espaço em ministérios e nas estatais, e passou a tentar derrubar Manso. 

Conforme Palocci, foi aí que Lula agiu indicando Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento.

"Luiz Inácio Lula da Silva decidiu resolver ambos os problemas indicando Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento; que isso também visava garantir espaço para ilicitudes, como atos de corrupção, pois atendia tanto a interesses empresarias quanto partidários; que, assim, nas diretorias de Serviço e Abastecimento houve grandes operações de investimentos e, simultaneamente, operações ilícitas de abastecimento financeiro dos partidos políticos", diz trecho da delação.