O Facebook "assassinou" mais conservadores pelo mundo. Desta vez, os espanhóis foram quem acabaram mortos virtualmente a poucos dias da eleição no país. 

A rede de Mark Zuckerberg tirou do ar várias páginas ligadas a partidos direitistas da Espanha. Juntas elas alcançavam quase 1,7 milhão de pessoas.

Alinhada com a rede social, a velha imprensa está compartilhando a notícia como se o Facebook estivesse agindo contra os malvados membros da “extrema direita”.

A decisão foi anunciada nesta quinta-feira (25) poucos dias antes das eleições nacionais espanholas, onde é esperada uma ascensão do apoio ao conservadorismo do partido Vox.

Segundo a VEJA, as páginas foram banidas depois de uma investigação da Avaaz, uma ONG americana que já recebeu milhões em financiamento do bilionário globalista George Soros.

Segundo a ONG, a censura foi efetuada pelo Facebook com base em “comportamentos suspeitos em uma série de perfis ligados à extrema direita” que publicaram “mensagens de teor misógino, homofóbico e islamofóbico”.

O Facebook, como sempre faz, negou que as páginas espanholas tenham sido tiradas do ar por seu conteúdo.

Entre as contas deletadas, a maior era a da Unidade Nacional Espanhola (UNE), com mais de 1,2 milhão de seguidores. A UNE, somada às outras, tinha mais de 7 milhões de interações mensais.