O site O Antagonista revelou que Adélio Bispo de Oliveira, que esfaqueou o presidenciável Jair Bolsonaro, tentou arrumar emprego ao chegar em Juiz de Fora, na segunda quinzena de agosto.

O agressor distribuiu currículo em várias empresas e até chegou a ser chamado no setor de RH do grupo Bahamas Supermercados. 

No entanto, na entrevista, ele acabou reprovado, pois o avaliador considerou seu discurso “muito linear, sugerindo omitir informações”.

Se Adélio quisesse mesmo um emprego, não deveria tentar assassinar o presidenciável que mais vai gerar empregos no país.

Aparentemente, a entrega destes currículos também foi premeditada, pois sugere que o criminoso não foi à Juiz de Fora só para cometer o crime.