O candidato líder nas pesquisas esfaqueado por um militante de esquerda, Jair Bolsonaro, foi submetido a uma nova cirurgia na noite desta quarta-feira (12), segundo o Hospital Albert Einstein, onde está internado. 

Segundo o boletim médico, o procedimento durou cerca de 1 hora e terminou por volta das 23h30. 

A nova intervenção foi bem-sucedida e o candidato passa bem. Ele passou a madrugada sem náusea nem dores. 

Devido a isso, o ex-capitão do Exército precisou ser levado para o mesmo leito onde estava antes da cirurgia e voltou a ter o protocolo de cuidados de UTI. 

Um novo parecer médico deve ser divulgado por volta das 10h desta quinta.

O filho do capitão, Carlos Bolsonaro, se manifestou no Twitter:

Para a turma de Jair Bolsonaro, os médicos erraram quando retiraram a sonda e permitiram que ele se alimentasse por via oral.

O candidato passou a sentir dor e por isso teve que passar pelo novo procedimento. 

Após passar por uma tomografia, foi identificado a presença de aderência obstruindo o intestino delgado. Segundo o hospital, a solução do problema era cirúrgica que já foi feita. 

“Ele teve um corte, perdeu muito sangue, é normal que o intestino fique muito dilatado. Com o passar dos dias, vai melhorando. Provavelmente, piorou nas últimas 18 horas, o que levou a essa distensão, provavelmente uma alça intestinal se juntou, ficou muito próxima à outra, com um quadro que a gente chama de obstrução intestinal", disse Alfredo Guarischi, médico especialista em grandes cirurgias à GloboNews.

Devido ao atentado, Jair Bolsonaro já estava sem condições de seguir as atividades de campanha no primeiro turno.

Aliados agora disseram ao Estadão que a nova cirurgia pode afastá-lo também no segundo turno.