De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) nesta terça-feira (27), os jovens Eduardo Henrique da Silva, Ygor King e David Willian da Silva imobilizaram o jogador Daniel para Edison Brittes Júnior esfaquear e mutilar o atleta.

Segundo a denúncia, ao chegar no local onde o corpo dele foi achado, os três jovens desceram do carro e espancaram Daniel. Na sequência, Edison Brittes desceu do carro e "decapitou parcialmente a vítima tendo contado com a imobilização" de Eduardo, Ygor e David.

De acordo a denúncia do MP, "nas mesmas condições" e "contando sempre com o apoio e adesão dos demais presentes", Edison Brittes mutilou Daniel, que teve o pênis amputado.

O jogador de futebol Daniel foi encontrado morto no dia 27 de outubro após a festa de aniversário de Allana Brittes, filha de Edison Brittes Júnior.

Os quatro foram denunciados por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor.

A esposa de Edison Brittes, Cristiana, também foi denunciada por homicídio, segundo a denúncia, por ter "orientado-os a prosseguirem com o justiçamento do jogador" fora da casa.