A juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução penal em Curitiba, intimou o MPF para que se manifeste sobre o pedido da defesa de Lula para que o condenado seja solto.

No despacho, Lebbos destaca que a liminar de Marco Aurélio Mello contradiz duas decisões anteriores do plenário do Supremo –tanto no caso genérico da prisão em segunda instância quanto no caso específico do petista.

“Tem-se, pois, decisões colegiadas, inclusive no caso concreto, no sentido do cabimento da execução provisória da pena,”diz trecho.