Uma testemunha do caso Daniel afirmou que Edison Brittes, suspeito do assassinato, teria convidado o jogador para ter relações sexuais com sua esposa, Cristiana Brittes. 

O ato foi divulgado por um conhecido de Edison ao site Massa News e teria acontecido horas antes da tortura contra o meia.

"Ele disse que estava muito louco, que convidou Daniel para dormir com a mulher dele. Ele sabia, a mulher também, foi um acordo. E depois que ele viu que realmente os dois estavam juntos na cama ele se revoltou e resolveu matar Daniel", disse a testemunha.

Edison ainda confidenciou a esse amigo que usou cocaína e drogas sintéticas antes de cometer o crime.

"A família tem direito de saber que Daniel não tentou estuprar ninguém, ele realmente foi inocente na história", concluiu.

Daniel foi encontrado mutilado e morto no último dia 27 em uma plantação de pinos, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba.