Michel Temer recebeu um investigado em seu Palácio, escutou confissões de crimes e não fez nada. 

O presidente, no mínimo, cometeu crime de prevaricação. 

Que também não deixa de ser motivo para renunciar.