O jornal argentino Clarín revelou a última mensagem enviada pelo submarino argentino desaparecido no ano passado, o ARA San Juan. 

Ás 7h19, os tripulantes haviam acabado de passar por uma tempestade com ondas de até 6 metros na superfície do mar, quando o comandante ordenou que baixassem a 40 metros de profundidade para tentar reparar uma parte das baterias e repousar.

Foi então que a última mensagem foi enviada pelo tenente Fernando Villarreal à Central de Comunicações de Submarinos. 

Ele esclareceu que no momento estavam “em plano de periscópio” (a 18 metros de profundidade) e navegavam com propulsão dividida, pois haviam desconectado as baterias da proa por “curto-circuito e princípio de incêndio.” 

Nesta mensagem, ele avisou que iam em direção a Mar del Plata a 5 nós de velocidade (cerca de 9 km/h).

A explosão que provocou a tragédia foi detectada às 10h31 (hora local) do mesmo dia.