Uma mulher foi condenada a 12 anos e seis meses de prisão, no sul da Alemanha, por "alugar" o filho para fins sexuais a pedófilos na 'deep web'.

O padrasto da criança também foi condenado a uma pena de 12 anos de reclusão. 

Berrin Taha, de 48 anos, e Christian Lais, de 39 anos, são alemães e vivem em Staufen, perto de Freiburg.

Um espanhol também foi condenado pelo Tribunal a 10 anos de prisão por abusar repetidas vezes do menino. Outros cinco homens foram indiciados no mesmo caso.

O casal foi considerado culpado de estupro, agressão sexual de menor, prostituição forçada e distribuição de pornografia infantil.

O menino agora vive com pais adotivos. Ele tinha 9 anos quando o julgamento começou, no mês de junho.