O mesmo "professor" responsável por censurar páginas conservadoras no Facebook, agora está investindo para tentar censurar o Whatsapp. 

Em artigo publicado no New York Times, este fascista pede que o Whatsapp restrinja a capacidade de transmissão do aplicativo, limite a 5 o número de reenvios e que limite o tamanho de novos grupos.

Detalhe: Solicitou para que isso seja implementado antes do fim das eleições. 

Além disso, foi chorar também para o TSE e o Poder Judiciário. 

A esquerda é assim: Quando começa a perder o jogo democrático, logo expõe seu plano totalitário. 

Fascistas, não passarão.