O oficial de cartório Paulo Odilon Xisto Filho, de 36 anos, é acusado de ter matado a namorada, a modelo gaúcha Isadora Viana Costa, de 22 anos. 

Segundo informações do G1, o crime ocorreu no dia 8 de maio, no apartamento dele, em Imbituba, no Sul do estado. 

Réu por homicídio qualificado (motivo fútil, com pouca chance de defesa da vítima e feminicídio), ele responde ao processo em liberdade, mas precisa cumprir medidas cautelares impostas pela Justiça.

Segundo a acusação do Ministério Público, Paulo imobilizou a namorada após uma discussão e deu vários golpes no abdômen dela, provocando a morte. Ele tem porte físico avantajado, pois é lutador de artes marciais, afirma o MPSC. Uma amiga dele, que é advogada, é acusada de ter alterado a cena do crime e responde na Justiça por fraude processual.

Ainda conforme a denúncia do MPSC, Paulo conheceu Isadora em Santa Maria (RS) em março deste ano, quando começaram a namorar. No dia 22 de abril, a jovem aceitou o convite para passar uns dias no apartamento do namorado, em Imbituba.

Ao passar a conviver com ele, Isadora confidenciou a amigas que nos momentos em que Paulo Odilon estava sob efeito de drogas, se tornava agressivo e descontrolado, diz a denúncia.

O crime ocorreu após uma discussão do casal, apontam as investigações policiais. 

“Naquela noite, ele passou mal, espumou pela boca e Isadora acionou a família dele. Pelo que levantamos nas investigações, ele escondia dos familiares que usava drogas. Depois que os parentes saíram, o casal discutiu e ele agrediu Isadora”, disse o delegado Raphael Rampinelli.

A defesa do acusado disse que não é possível afirmar que o oficial do cartório foi o responsável pela morte da modelo.

“Faltam laudos ao processo. É uma fatalidade tanto para Paulo quanto para a família de Isadora, uma vez que tinham um relacionamento. As causas da morte súbita ainda não foram elucidadas. Precisamos verificar se a ingestão de substâncias entorpecentes podem ter relação com a morte”, afirmou o advogado Bruno Seligman de Menezes.