A Procuradoria Geral da República pode instaurar procedimento para analisar a conduta do diretor-geral da PF, Fernando Segovia, diz a brilhante jornalista Andreza Matais, no Estadão.

"A investigação, contudo, ainda está em fase de diligência e a declaração foi interpretada como interferência no trabalho do delegado que conduz o caso."

"O Ministério Público atua como órgão de controle externo da Polícia Federal. Condição que lhe permite instaurar um procedimentos contra Segovia."

O diretor-geral da PF havia sugerido em entrevista à Reuters que o inquérito que investiga o presidente Michel Temer, por suspeita de favorecimento a uma empresa que atua no porto de Santos, pode ser arquivado.

Em nota se defendendo, Segovia negou que tenha a afirmação para a Reuters.