O eminente delegado titular, Henrique Damasceno, em conjunto com o delegado assistente, Vinicius Miranda, e os agentes da 39 DP - PAVUNA, deflagaram uma operação conjunta com a Polícia Federal e a SENAD (PY), em ASUNCIÓN, no PARAGUAI.

Na ação, foi preso o traficante Carlos Eduardo Sales Cardoso, vulgo CAPILÉ.

Após longa investigação que, aliada a intenso trabalho de campo, incluindo vigilância em vários estados brasileiros e no Paraguai, descobriu-se o paradeiro do criminoso, foragido há anos e considerado a maior liderança da facção TCP que ainda estava em liberdade.

O traficante foi capturado em sua residência, situada em um bairro de classe média alta da cidade de Asunción, onde utilizava carros caros e exibia elevado padrão de vida.

Dados de inteligência apontam que Capilé saiu de Acari, onde chefiou diretamente o tráfico de drogas por anos, e foi para o Paraguai a fim de orquestrar de perto os contratos que, até sua prisão, faziam com que inúmeras armas e toneladas de drogas chegassem àquela favela, que é o maior entreposto de drogas do Rio de Janeiro.

Com localização privilegiada, de Acari partem as drogas que abastecem as principais favelas em que a organização criminosa TCP se mostra atuante, como Morro do Dendê, Vila do João, Vila dos Pinheiros, entre outras, espalhadas por todo o estado.

A prisão do traficante causa grande dano à estrutura da organização, uma vez que era através de seus contratos e rotas que a imensa maioria das drogas e armas que abasteciam a facção chegavam ao Rio.

Capilé recentemente também teve papel determinante para possibilitar que o TCP anexasse territórios antes pertencentes à facção ADA, bem como a firmar a aliança com o PCC, a maior facção criminosa do Brasil.

O criminoso se encontra custodiado enquanto se aguarda a execução dos trâmites legais para seu recambiamento ao Rio de Janeiro.