Em nota, a Policia Federal informou que foi deflagrada a 59ª fase da Operação Lava Jato. 

Baseada em delações premiadas que apontaram pagamentos de propina na Transpetro, a operação apura também um escritório de advocacia envolvido na lavagem de dinheiro. 

Leia a nota da PF:

Polícia Federal deflagra a 59ª fase da Operação Lava Jato

OPERAÇÃO QUINTO ANO

Curitiba/PR – Na manhã de hoje, 31/01, a Polícia Federal deflagrou a 59ª fase da Operação Lava Jato denominada QUINTO ANO.

Estão sendo cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e 3 de prisão temporária por 60 Policiais Federais, com o apoio de 16 Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, em São Paulo/SP e Araçatuba/SP. Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba/PR.

Participaram das investigações a PF, a RFB e a Força Tarefa do MPF em Curitiba.

A partir de acordo de colaboração premiada, homologada pelo STF, a investigação colheu indícios de que diversas empresas pagaram vantagens indevidas de forma sistemática a executivos da TRANSPETRO, em um percentual de propina que alcançou o montante de até 3% do valor de 36 contratos formalizados com a estatal entre 2008/2014. Consta que os contratos somam o total de mais de R$ 682 milhões.

Calcula-se que foram repassados no período mais de uma centena de milhões de reais a agentes políticos, sendo que o colaborador teria recebido R$ 2 milhões, por ano, a título de vantagem indevida, além de R$70 milhões no exterior.

Há indícios de que um escritório de advocacia teria sido utilizado para a movimentação de valores ilícitos e geração de dinheiro em espécie em favor das empresas do grupo investigado.

O sistema utilizado para a ocultação e dissimulação da vantagem indevida, ocorreu mediante a utilização de contas de passagem e estruturação de transações financeiras (fracionamento) para evitar comunicação de operações suspeitas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras – COAF.

Existem fortes suspeitas de que todo esse esquema criminoso só foi possível em razão da bem acertada associação entre os investigados.

Os investigados responderão pela prática dos crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Os presos e o material apreendido serão trazidos para a Superintendência da Policia Federal em Curitiba/PR.

Será concedida entrevista coletiva de imprensa às 10h no auditório da Superintendência da Policia Federal em Curitiba/PR.

1.SÃO PAULO/SP:
14 Mandados de Busca e Apreensão
03 Mandados de Prisão Temporária

2. ARAÇATUBA:
01 Mandado de Busca